ILC contra o Acordo Ortográfico

Ler, assinar, divulgar

Posts publicados por JPG

Este “post” fica arquivado na categoria “Opinião”.

De facto, o texto de Guilherme D’Oliveira Martins publicado há dias na revista “Visão” é de tal forma revoltante, parece-me, é tão desonesto – para não dizer miserável -, intelectualmente falando, acho eu, que apenas como simples “opinião” me permito reproduzi-lo aqui… devidamente “guarnecido” com aquilo que eu penso do texto e do seu autor.

É também esta a única forma de que disponho, se bem que modesta, de ao menos deixar “lavrado” algures o meu protesto, veemente, enérgico e “ligeiramente” enraivecido, quanto a mais uma ridícula tentativa de reescrita da História.

Parafraseando o que escreveu Maria do Carmo Vieira sobre a acordização selvagem da obra do Padre António Vieira, não merecia Graça Moura este tratamento. Escrever sobre ele um texto encomiástico em acordês já seria suficientemente mau; mas citá-lo e, pior ainda, usando dele citações textuais “convertidas” para o português estropiado “segundo as regras” do AO90, bem, isso então é absolutamente intolerável, nojento, abjecto. Uma canalhice sem nome.

E assim como aqui deixo esta adjectivação, pela qual assumo evidentemente – e com imensa honra – toda a responsabilidade, aqui deixo também a transcrição do dito texto, da autoria de Guilherme D’Oliveira Martins, devidamente corrigido, transposto, “traduzido” para Português legítimo; e não apenas nas citações de Vasco Graça Moura que se atreveu a estropiar, mas na íntegra, todo o seu próprio arrazoado.

Se fizerem o favor de me permitir outra citação “ligeiramente” adaptada, a terminar, aqui fica também a referência (com a devida vénia ao autor, está bem de ver) a Almada Negreiros e ao seu intemporal, genial, maravilhoso ‘Manifesto Anti-Dantas’.

E FIQUE SABENDO O GUILHERME QUE SE TODOS FÔSSEM COMO EU, HAVERIA TAES MUNIÇÕES DE MANGUITOS QUE LEVARIAM DOIS SÉCULOS A GASTAR.

 

O lugar da cultura

Guilherme D’Oliveira Martins
13:00 Segunda feira, 1 de Junho de 2015

A cultura é uma realidade transversal, que não se dá bem com o isolamento e o sentimento de auto-suficiência. Daí não bastarem as boas intenções nem os ingénuos desígnios. Os investimentos nas pessoas, para serem reprodutivos e terem efeitos em mais desenvolvimento, têm de se articular com as prioridades na criação e sustentabilidade dos recursos disponíveis, a começar no factor humano.

continue a ler…

assimtota«atingir uma linearização numa assimtota horizontal»
Instituto Politécnico de Setúbal (Tese de Mestrado)


continue a ler…

paranoia«Não se deve entrar numa paranoia securitária!»
Diário de Notícias


continue a ler…

hetares«neste momento temos 257 hetares afetos à agricultura biológica»
jornal “Tribuna da Madeira


continue a ler…

fator_portugal_ILTEC factor_Brasil_ILTEC

 

FatorX_portugal

  continue a ler…

etoplasma
«psicografia, emissão de etoplasma, curas e outros»
TecNet (.pt)


continue a ler…

ipsofato
«Ainda que esta verosimilhança não corresponda Ipso fato ao modo como vemos (…)»
Universidade de Lisboa – FBA (Tese de Doutoramento)


continue a ler…

FB_IMG_1433114199502

Publicado em 31.05.15 na página Facebook do autor.

Ver “Desenhos“.

bebes«Fatos – Fantasias Bebês 0 a 3 anos»
A Casa Do Carnaval


continue a ler…

concetualizar«depois de digerir o que aconteceu em 2013, concetualizar o que seria o evento de 2014»
Mais Futebol (“site”)


continue a ler…