ILC contra o Acordo Ortográfico

Ler, assinar, divulgar

Resultados da Pesquisa em materiais de campanha

Esferográficas com gravação de dizeres e blocos-notas em caixa com logótipo na tampa.

Ver todos os materiais de campanha AQUI.

Esta ILC não tem, como é evidente, absolutamente nada a ver com quaisquer empresas ou negócios seja de que espécie for nem as ou os promove de forma alguma. NÃO COMERCIALIZAMOS NADA NEM TRATAMOS DE CONTACTOS COM FORNECEDORES.

Se tiver interesse em adquirir algum destes produtos é favor consultar os fornecedores respectivos (localizáveis na Internet). Em qualquer serviço especializado podem fazer-se estampagens como estas.


Canetas de Vistaprint

T-shirts mulher de Vistaprint

Porta-chaves de Vistaprint


Porta-chaves de Vistaprint


Clipes magnéticos de Vistaprint

Ver todos os materiais de campanha AQUI.

A Iniciativa Legislativa de Cidadãos pela revogação do “acordo ortográfico” de 1990 não tem, como é evidente, absolutamente nada a ver com quaisquer empresas ou negócios seja de que espécie for nem as ou os promove de forma alguma. NÃO COMERCIALIZAMOS NADA NEM TRATAMOS DE CONTACTOS COM FORNECEDORES.

Se tiver interesse em adquirir qualquer destes produtos é favor consultar os fornecedores aqui indicados ou quaisquer outros. Em qualquer serviço especializado podem fazer-se estampagens como estas.

“Crachats” e saco, oferta de Gi

Fornecedor dos autocolantes: Vistaprint

Fornecedor dos selos de correio: CTT

Ver todos os materiais de campanha AQUI.

A Iniciativa Legislativa de Cidadãos pela revogação do “acordo ortográfico” de 1990 não tem, como é evidente, absolutamente nada a ver com quaisquer empresas ou negócios seja de que espécie for nem as ou os promove de forma alguma. NÃO COMERCIALIZAMOS NADA NEM TRATAMOS DE CONTACTOS COM FORNECEDORES.

Se tiver interesse em adquirir qualquer destes produtos é favor consultar os fornecedores aqui indicados ou quaisquer outros. Em qualquer serviço especializado podem fazer-se estampagens como estas.

“Agitprop”

2 comentários

Imagens de propaganda à ILC contra o AO90 produzidas em Letter James.

Ver outros materiais de campanha AQUI.

Página de materiais de campanha: AQUI.
Ver outro ambiente de trabalho AQUI.

museulinguaportuguesa

[Museu da Língua Portuguesa, S. Paulo – Brasil]
Já aqui reproduzimos alguns conteúdos, tanto em texto como em áudio, que reflectem a visão que têm os estrangeiros em geral e os francófonos ou anglófonos em particular sobre o “acordo ortográfico” da Língua Portuguesa.

O que se segue é um conjunto de excertos (citações) de um estudo, da autoria de Jacques Leclerc, linguista canadiano, precisamente sobre a “política linguística do Brasil” — o que tem obviamente tudo a ver com o AO90.

Para ler em Português, coloque o “pointer” do seu “rato” em cima de cada parágrafo e verá o respectivo texto traduzido.

La politique linguistique à l’égard du portugais concerne deux grands volets: d’une part, le statut de la langue portugaise au Brésil, notamment en éducation et, d’autre part, le code linguistique lui-même, c’est-à-dire le portugais en tant qu’instrument de communication, que ce soit à l’échelle nationale ou internationale. (…)

L’activité brésilienne sur le code linguistique

La Constitution de 1988 (modifiée en 1994) proclame, dans son article 13, le statut officiel de la langue portugaise:

«Artigo 13
A língua portuguesa é o idioma oficial da República Federativa do Brasil.»
Une pareille déclaration dans d’autres pays s’avérerait inutile dans la mesure où la très grande majorité de la population parle la langue officielle comme langue maternelle. Mais il existe près de 200 langues au Brésil, dont 170 langues autochtones et une trentaine de langues immigrantes. Cette disposition sur la langue officielle était absente dans la version de 1988; elle n’est apparue qu’en 1994 lors des modifications constitutionnelles. Manifestement, le législateur a voulu, par cette disposition, renforcer le caractère identitaire du Brésil. Cela dit, toute la vie politique, culturelle, scolaire, économique, etc., se déroule massivement en portugais (brésilien), bien que, comme nous le verrons, l’influence de la langue anglo-américaine pèse d’un poids de plus en plus lourd sur la vie économique et, par voie de conséquence, sur la langue nationale.  

continue a ler…

logoCNPD

A propósito disto:

1. «Hoje é dia Europeu da Protecção de Dados. No tempo das redes sociais e da evasão de privacidade, a CNPD fala em contenção.»
2. «Atravessamos um tempo de invasão e de evasão de privacidade. O que faz a CNPD para sensibilizar o público para esta questão?»
3. «Como é que as pessoas podem defender-se de situações abusivas?»
Jornal “i”

Isto:

1. Qualquer recolha de dados pessoais obriga a que uma única pessoa (ou entidade) se responsabilize pela mesma perante a CNPD.
2. Como 1.º subscritor da ILC pela revogação da entrada em vigor do AO90 fui eu quem abriu o processo (referência CNPD 65.373.240) de legalização da recolha dos dados constantes dos impressos de subscrição desta iniciativa cívica.
3. Declarei na abertura do processo de legalização não ter a nossa ILC qualquer intenção de fazer recolha de dados para efeitos de processamento informático e nem mesmo meios humanos ou materiais para essa recolha informatizada.
4. Criámos logo de início, no lançamento da campanha, um mecanismo para que voluntários recolham assinaturas para a ILC de forma autorizada (legal): pedem por email o impresso de 14 assinaturas e este é-lhes remetido individualmente com um “kit” de ficheiros que incluem indicações exaustivas sobre a recolha, a conservação e a remessa dos impressos de subscrição preenchidos.
5. As normas de recolha de subscrições são claras e comuns a todos os voluntários: além das questões relacionadas com o preenchimento dos impressos refere-se expressamente a confidencialidade dos dados dos subscritores e a sua finalidade exclusiva, ou seja, que se trata de subscrições da ILC pela revogação do AO90, não podendo as mesmas ou os dados nelas constantes servir para qualquer outra finalidade.

Portanto:

1. Quaisquer acções que se denominem a si mesmas (ou que sejam apresentadas) como de “recolha de assinaturas para a ILC”, ou algo de semelhante, mas que não tenham seguido os trâmites normais (pedido por escrito, resposta/autorização por escrito, recolha, conservação e envio para o endereço por nós indicado), devem ser consideradas como acções ILEGAIS de recolha de dados, devendo a sua ocorrência ser-nos de imediato comunicada para que possamos dessa mesma ilegalidade dar conta às autoridades competentes na matéria.
2. Não podem ao titular do processo de legalização referido ser assacadas quaisquer responsabilidades pelos dados dos subscritores que estejam na posse de terceiros, isto é, de pessoas que promovam as acções ILEGAIS referidas no ponto anterior, nem por qualquer utilização que dos mesmos dados for feita por parte das referidas pessoas para fins diversos dos previstos no dito processo e na legislação atinente.

João Pedro Graça