AGO_orthographic.svg

Linguista Amélia Mingas apoia a posição do Executivo em relação ao novo acordo ortográfico

14-08-2013

A Decana da Faculdade de Letras da Universidade Agostinho Neto, Amélia Mingas apoia a posição do Executivo em relação a não ratificação ao novo acordo ortográfico, noticiou a RNA.

Antiga Directora executiva do Instituto Internacional de Língua Portuguesa, frisou que, o novo acordo ortográfico não tem razão de ser, em virtude de o mesmo não ter levado em consideração o contributo dos 8 estados membros da CPLP para o desenvolvimento da língua portuguesa.

O problema que se prende é que há um acordo que não tem razão de ser, porque quando se faz o acordo deve-se considerar a contribuição que, cada um dos estados que integra a CPLP trouxe para a Língua Portuguesa. Porque o que se nota são alterações tendo em conta o desenvolvimento da língua portuguesa no Brasil”.

Amélia Mingas sublinha que a posição do governo angolano é uma posição soberana – “o governo angolano é o único país que não ratificou e eu estou plenamente de acordo com isso, porque, a variação que a língua portuguesa sofreu no nosso país não está ali considerada”.

[Transcrição integral de notícia da RNA (Rádio Nacional de Angola). “Links” e destaques inseridos por nós. Imagem de Wikipedia.]