Gravação da entrevista do deputado Miguel Tiago ao programa “Páginas de Português“, transmitido pela emissora “Antena 2” no dia 15 de Setembro de 2013, sobre as questões relacionadas com o “acordo ortográfico” em geral e com o Grupo parlamentar de Trabalho sobre o AO90 em particular.

[audio: https://ilcao.cedilha.net/imagens/rec0918-180359.mp3]

Citações

◊ «Há impactos do acordo ortográfico na Língua portuguesa que não tinham sido previstos nem acautelados e outros tantos que tinham sido ignorados até aqui.»

◊ «A Assembleia da República não pode, pura e simplesmente, utilizar um instrumento jurídico como é um Acordo internacional à revelia das pessoas e das populações, tendo em conta que a Língua portuguesa não pertence exclusivamente à Assembleia da República.»

◊ «Este Grupo [parlamentar de Trabalho sobre o AO90] teve o mérito de demonstrar que não houve nenhuma preparação do Acordo.»

◊ «O acordo ortográfico, que foi apresentado a todas as pessoas como uma forma de unificação da escrita, não só não o é como nem o pretende ser. […] Não só não unifica como prometia unificar como até cria as bases para que a Língua portuguesa cada vez se torne mais díspar.»

«Da mesma forma que [o AO90] foi aprovado também pode ser revogado» [através da revogação da RAR 35/2008]

[a revogação] «implicaria exactamente os mesmos custos que implicou a aplicação do Acordo, com a atenuante de que estes custos estariam a ser para proteger a Língua e não para a destruir.»