guinote_header

O Acordo Ortográfico Pelo Brasil

Posted by Paulo Guinote

O engraçado é por cá darem tudo por adquirido e decidido quando o país com mais falantes de Português ainda está a ver se…

Mudanças nas regras da Língua Portuguesa serão reavaliadas

(…)

«O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa ganhou novo prazo para a implantação definitiva: foi ampliado até 2016, para que haja mais discussão em torno do tema. Professores e estudantes do Brasil, Portugal, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste, que têm o português como língua oficial, têm até julho para debater mudanças e fazer sugestões. As melhores propostas serão selecionadas em setembro, no Seminário Internacional Linguístico-Ortográfico da Língua Portuguesa, que será realizado em Brasília. Após os debates, os governos dos países de Língua Portuguesa terão aproximadamente um ano para determinar o que deve ser simplificado

O problema é que parece que mais do que a depilação actual, há quem queira mesmo uma completa brazilian wax ao nosso idioma escrito.

[Transcrição integral de “post“, da autoria de Paulo Guinote, publicado em 27.03.14 no “blog” A Educação do Meu Umbigo.]
[* O título deste “post”, retirado do texto de Paulo Guinote, é de facto intraduzível. Aceitam-se sugestões…][Imagem: cabeçalho do “blog” citado”.]

Notas da ILC AO
Este assunto já foi por diversas vezes referido aqui, no “site” da ILC. De facto, com a complacência e até a colaboração de meia dúzia de portugueses, meia dúzia de brasileiros estão já – porque provavelmente não acham que o AO90 seja devastação suficiente – a arquitectar um “novo acordo ortográfico” ainda mais imbecil e criminoso do que o parido em 1990.

Alguns textos, anteriormente aqui publicados, directamente relacionados com este “novo” AO revisto e (mil vezes) aumentado:

1. Não, Portugal não está interessado no “projeto”!
2. Ernani dis k preciza simplifiká u akordu ortugráfiku
3. Simplifique-mos as complica são?
4. Brasil “revê” e “simplifica” o AO que os outros países deverão “adotar”