14,4% de “reprovados” na “prova de avaliação dos professores contratados” por “erros ortográficos”. Aliás, 62,8% do total de examinandos registaram “mais de três erros ortográficos” nesta “prova”.

Como se vê, o AO90 não é obrigatório (e “ninguém será abatido, preso ou punido se não aderir às novas normas”, dizia o então Ministro da Cultura em 19.08.08) mas serve para “reprovar” professores (e alunos, claro) que não escrevam em acordês.

[Gravação de notícia da RTP (“Jornal da Tarde”), emitida consecutivamente no canal RTP Informação ao longo do dia 05.08.14]