De: Rocío <rocio******@gmail.com>
Data: 22 de Junho de 2011 17:46
Assunto: Cortar despesas – AO
Para:

——————————–

Estimados Senhores,

É provável que escrever na minha língua materna (Castelhano) fosse melhor ideia do que escrever em Português, com certeza saberia explicar de maneira mais inteligente aquilo que vos quero expressar, mas assumo o risco dos erros, gralhas e incorrecções gramaticais com a intenção de deixar patente o meu amor e admiração por um idioma que estudo há vários anos e que faz parte já da minha vida quotidiana, principalmente através da leitura: leio “online” os jornais portugueses e compro, com certa avidez, livros e mais livros em língua portuguesa.

Ainda assim, sou ciente de que me falta muito para escrever correctamente e por isso peço antecipadamente desculpas.

O motivo deste mail é questionar o vosso grupo parlamentar ao respeito de um inquérito público que efectuaram em Outubro de 2010 para recolher sugestões para cortes na despesa nestes tempos de crise. Desse inquérito resultou um relatório http://www.cortardespesas.com/ no qual (página 16) aparece a referência à “proposta relevante” (cita textual) apresentada por algumas pessoas rejeitando o Acordo Ortográfico de modo a evitar os custos que a sua aplicação imporá ao sector editorial.

Conhecedor o PSD da opinião de um amplo sector da população que se manifesta contra o citado AO, e sabendo que houve uma petição apresentada na AR que resultou num documento que recomendava revisar todo o processo, gostava, com a humildade de quem sabe que não faz parte do povo português por nacionalidade mas com toda a vontade de defender uma Língua que ama, admira e respeita, perguntar ao vosso grupo se considera adequada a nomeação de Francisco José Viegas para a Secretaria de Estado da Cultura uma vez que, é claro, não vai de encontro à vontade popular.

No desejo de que o PSD venha trabalhar na defesa da Língua Portuguesa, como já o está a fazer uma parte da cidadania, a parte mais e melhor informada ao respeito (quero pensar que se não é Portugal inteiro a “gritar” contra o AO é apenas por desconhecimento do que o tal vira supor), agradeço a atenção dispensada à leitura deste mail e envio-lhes saudações cordiais deste cantinho vizinho.

Atentamente,
Rocío Ramos Nieto
Zamora (España)

[Cópia recebida por email, enviado pela autora, que autorizou a publicação.]