E-mail que enviei à Editorial Presença:

“Boa tarde.

Acabei de comprar um livro que achei bastante interessante, mas como ser humano que sou, esqueci-me de um pormenor: não verifiquei se este trazia erros ortográficos. É com grande surpresa e espanto que constatei que, de facto, o livro está repleto deles! Desde escrever os meses do ano com letra minúscula aos mais desprezíveis erros de escrita que não têm concordância entre a forma fonética e a forma escrita, por exemplo “objetivo”.

Meus caros, trabalhando neste ramo deviam estar informados que “objetivo” não se lê de acordo com a forma como nós dizemos esta palavra. “Objectivo”, sim, dá a ênfase necessária à forma como se pronuncia o “e” (mas isto, claro, para os que não são analfabetos).

É com grande espanto meu que a cara tradutora ***** *** ****** ******* faz parte desse universo analfabeto (ou será iletrado?). Porque motivo é esta senhora tradutora?

Nunca mais comprarei livros a uma editora que permite tal calamidade. Talvez até devolva este.”

Raquel Pedrosa

[Transcrição integral de “post” na página da Causa do Facebook “Não queremos o Acordo Ortográfico!“]

Imagem picada daqui.