Duarte Branquinho nasceu em Lisboa e é pai de duas crianças.

Licenciado em História e pós-graduado em Estudos Medievais – Estudos sobre o Poder, é documentalista, tradutor e revisor ortográfico.

Colaborador de várias publicações nacionais e estrangeiras, é director do semanário “O Diabo” desde Março de 2011.

Director d’O DIABO assina a ILCAO
O Acordo Ortográfico (AO) é inútil, desnecessário e catastrófico. Já o escrevi antes e não me canso de o repetir. Mas o pior em todo este processo foi a passividade perante este atentado ao património comum que é a nossa Língua. Enquanto cidadão português, sinto-me na obrigação de o impedir a todo o custo. Enquanto director de um jornal nacional, sinto-me no dever de contribuir para que o “acordês” não se torne a nova grafia. Devemos recusar esta imposição sem sentido. Podemos recusá-la, recorrendo aos meios legais à nossa disposição.

Por estas razões, decidi assinar a louvável Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico (ILCAO). Apelo a todos os leitores que façam o mesmo e que divulguem esta iniciativa meritória. Com o esforço de todos, é possível impedir a tragédia.

Duarte Branquinho
Texto publicado na edição d’O Diabo de 20 de Dezembro de 2011.

Duarte Branquinho subscreveu a Iniciativa Legislativa de Cidadãos pela revogação da entrada em vigor do “acordo ortográfico”.

Nota: esta publicação foi autorizada pelo subscritor, que nos enviou, para o efeito, foto e nota biográfica.