Um

(…)

Ao longo dos séculos, muitos foram os que realçaram a necessidade de regras, revistas periodicamente, no sentido da simplificação e da modernização da escrita. Já em 1536, Fernão de Oliveira, o primeiro gramático português, alertava para a necessidade de novos sinais gráficos para representar as vogais “grandes” (abertas) das vogais “pequenas” (fechadas). Outros gramáticos, como Duarte Nunes de Lião e João de Barros, dedicaram especial atenção aos problemas ortográficos, como bem salientou a autora de “Dois ortografistas do sec. XVI“. Maria Leonor Carvalhão Buescu destaca a “polémica gramatical” associada à ortografia, em que “as opiniões divergem parcialmente e parcialmente se encontram”, considerando, no entanto, que há “como que uma unanimidade entre os ortografistas: a melhor grafia é aquela que se aproxima da pronúncia”. Vão nesse sentido as alterações do novo acordo ortográfico”.

[Transcrição parcial de “post” da autoria da Deputada Edite Estrela na rede social Facebook.]

Dois

“Estimada Dra Edite Estrela:

uma vez que invoca repetidamente (em particular no seu post de 12/2) o nome de nossa Mãe, Profª Maria Leonor Carvalhão Buescu na qualidade de linguista, em defesa das suas próprias posições sobre o Acordo Ortográfico, sentimo-nos na obrigação de a corrigir, pois as palavras de nossa Mãe que cita foram grotescamente descontextualizadas. Referiam-se elas a um momento histórico muito complexo, com a adopção do vernáculo em toda a Europa e a necessidade da sua codificação face ao latim, no século XVI. Pelo contrário, Maria Leonor Carvalhão Buescu foi, em 1990 e sempre depois disso, uma tenaz e frontal opositora do AO90, que considerou uma peça lamentável do ponto de vista científico e social. Enquanto herdeiros também do seu legado intelectual, solicitamos que não volte a utilizar, fora de contexto, a sua autoridade como apoiante de um AO que sempre recusou. Profs. Helena Buescu (FLUL), Ana Isabel Buescu (FCSH-UNL), Jorge Buescu (FCUL).”

[Transcrição de mensagem enviada à Deputada Edite Estrela, através da rede social Facebook, pelos filhos de Maria Leonor Buescu.]

Três

“Posso testemunhar do vigor com que a Professora Doutora Maria Leonor Buescu se posicionou desde 1986 contra o Acordo Ortográfico, do qual o segundo acordo é uma emanação (aliás tão teratológica como o primeiro), assinado em 1990. Se há que invocar o nome dela é exactamente para o incluir entre os de quem, desde essa altura, tomou uma posição frontal e sem qualquer ambiguidade.
Podem dar a este meu comentário a utilização que entenderem.
Um abraço do”
Vasco Graça Moura

[Transcrição de mensagem enviada por Vasco Graça Moura aos filhos de Maria Leonor Buescu, com autorização expressa de publicação, que nos foi remetida (por email, através de Maria José Abranches) pelos mesmos para o efeito.

A ILC pela revogação da entrada em vigor do “acordo ortográfico” solidariza-se, evidentemente, com a posição tomada pela família de Maria Leonor Buescu.

O vídeo que se segue é a gravação de um programa de televisão emitido em Janeiro de 1991. Nele, apenas como exemplo, se prova e comprova que Maria Leonor Buescu sempre fez, de facto, uma “tenaz, generosa e inteligente oposição ao AO90”.

Quatro

Política da Língua ou língua da política? from Jorge Pereirinha Pires on Vimeo.