Em 2012-12-10 15:55, E****** * P******** escreveu:

Este é um questionário via http://www.j*********.***/
de: R******* ** C****

Caros Srs.,

O meu antivírus AVG caduca em Janeiro. Contacto consigo para saber se a versão de 2013 para Portugal vem com o denominado «acordo ortográfico». Pergunto isto porque se tal for o caso terei de escolher outro.

Grato pela informação.

Cumpts.

R******* ** C****


—–Original Message—–
From: J**** ***** A*******
Sent: 10 de Dezembro de 2012 16:20
To: P**** ** C****
Subject: Re: E****** * P********: AVG

Exmo Sr.

Grato pelo vosso contacto, o AVG 2013 não é (de momento) compatível com o novo acordo ortográfico. Como a vossa licença é, neste momento, válida pode fazer o upgrade de versão, sem custos, e confirmar.

Inevitavelmente irá receber actualizações ao longo do tempo, e mais por uma questão legal do que por qualquer gosto nesta aberração da Língua Portuguesa, que nos querem impor, seguramente (tal como qualquer outro software) irá compatibilizar com o acordo. Eu, pessoalmente, escolhi a instalação em Inglês; assim não sou incomodado com “fatos” e “factos” ou outras importações de um português que não me parece correcto nem de Portugal.

Espero ter esclarecido a sua pergunta, disponha para qualquer questão e (espero) para a sua renovação do AVG.

Cordialmente

J*** ****** * A*******


—– Original Message —–
From: P**** ** C****
To: geral@j**********.pt
Sent: Tuesday, December 11, 2012 1:09 PM
Subject: RE: E****** e P********: AVG

Prezado Sr. A*******,

Agradou-me sobremaneira a sua resposta. Renovarei a breve trecho o antivírus.

Com sua licença, aproveito o ensejo de frisar que o designado «acordo ortográfico» não está legalmente em vigor. A doutrina do Direito é claríssima quanto à hierarquia das leis e nenhuma Resolução da Assembleia ou do Conselho de Ministros pode produzir efeitos contrários a Leis ou Decretos plenamente em vigor. A ortografia portuguesa rege-se pelo Decreto n.º 35 228, de 8 de Dezembro de 1945 e pelo D.L. 32/73, de 6 de Fevereiro. Par lá do resto, é este assunto um descaso jurídico e político que, por si, diz do estupor a que mergulhou Portugal e dispensa maiores comentários. Se o maço-o todavia aqui com o facto é porque se referiu à necessária conformação do fabricante do AVG ao dito «acordo» como «uma questão legal». Convirá lembrar o fabricante que a «questão legal» se põe unicamente nestes termos e não noutros.

Junto um impresso da Iniciativa Legislativa de Cidadãos em curso para extirpar esta espécie de cancro que nos corrói a identidade, certo de que, em boa consciência, decidirá o necessário caminho a dar-lhe (v. ilcao.cedilha.net).

Com os meus cumprimentos,

R******* ** C****

[Troca de correspondência recebida por email, com sugestão de publicação. As referências pessoais e profissionais foram substituídas por asteriscos para preservação das identidades dos intervenientes, a pedido do remetente.]